Início/Apple, Saúde, Transformação Digital/Como um Registro Eletrônico de Saúde mal desenhado pode colocar pacientes em risco

Como um Registro Eletrônico de Saúde mal desenhado pode colocar pacientes em risco

9 de agosto de 2018|Tags: , , , |

Uma análise dos riscos de segurança na Pensilvânia e no Médio Atlântico encontrou erros médicos ligados a registros eletrônicos de saúde.

As interfaces desajeitadas dos registros eletrônicos de saúde não são apenas uma dor para os médicos trabalharem – eles também podem ocasionalmente colocar em risco os pacientes, diz uma nova pesquisa.

Uma equipe de pesquisadores da MedStar, um sistema de saúde sem fins lucrativos com sede em Maryland, coletou quase 2 milhões de relatórios de riscos de segurança de clínicas na Pensilvânia e na região do Médio Atlântico. Destes, 557 disseram explicitamente que um problema com os registros eletrônicos de saúde colocou um paciente em perigo, de acordo com o artigo publicado ontem no Journal of American Medical Association.

Os registros eletrônicos de saúde, ou RESs, são prontuários médicos digitalizados que incluem informações importantes sobre o histórico, os medicamentos, as alergias e as visitas anteriores de um paciente. Eles devem reunir a imagem geral da saúde de um paciente, simplificando os cuidados, de acordo com os Centers for Medicare & Medicaid Services. Embora o sistema tenha reduzido certos tipos de erros de medicação em comparação com os prontuários médicos, os médicos também relatam que tentar operar o software difícil é frustrante, afirma Raj Ratwani, diretor científico do MedStar’s National Center for Human Factors in Healthcare e principal autor do estudo.

“REGISTROS MELHOR DESENHADOS PODEM MELHORAR AINDA MAIS AS COISAS.”

“Está claro que a introdução de registros eletrônicos de saúde não está piorando as coisas ao longo do tempo”, diz David Blumenthal, presidente da filantropia do Commonwealth Fund e ex-coordenador nacional de tecnologia da informação em saúde no governo do Barack Obama. “Mas acho que registros melhor desenhados podem melhorar ainda mais as coisas”, diz Blumenthal, que não esteve envolvido no estudo.

A equipe de Ratwani começou a descobrir como exatamente os RESs poderiam melhorar ao descobrir como eles falharam. Eles analisaram os riscos de segurança auto-relatados por médicos e enfermeiras que vão desde erros que exigiram uma vigilância de perto em seus pacientes (84%), para aqueles que ameaçavam a vida dos pacientes (menos de 1%). Alguns dos erros tinham a ver com a interface do RES, o que dificultou a entrada de dados com precisão pelos médicos, diz Ratwani.

Em um caso, o RES permitiu que um clínico registrasse o peso de uma criança em quilogramas em vez de em libras, o que poderia levar a overdoses perigosos de medicamentos que são medidos em peso. Em outros casos, o RES não conseguiu alertar médicos e enfermeiros para condições de risco de vida, como alergias a drogas como a penicilina; teoricamente, os RESs devem alertar os clínicos para a alergia quando estiverem tentando prescrever o medicamento. O problema é que, com os RESs mal projetados, diz Ratwani, “o recurso de alerta pode não funcionar ou o alerta pode não estar claro e, na verdade, não transmite a mensagem principal ao provedor de uma maneira que possa ser usada”.

“O RECURSO ALERTA PODE NÃO FUNCIONAR.”

No geral, cerca de 0,03% dos erros podem estar ligados aos RESs, diz o estudo. Esses erros foram auto-reportados, então eles podem não representar toda a gama de erros, diz Blumenthal. Embora este estudo mostre que os registros eletrônicos de saúde estão associados a erros médicos, Blumenthal diz que “eles constituem um número muito pequeno de relatos de erros, o que é reconfortante. E houve relativamente poucos relatos de problemas muito sérios ”.

Ainda assim, essa pequena porcentagem é quase certamente subestimado, Ratwani diz: a maior parte dos relatórios de segurança do paciente foram de 571 clínicas no estado da Pensilvânia. Assim, mais exemplos podem ser encontrados se a pesquisa for ampliada em todo o país, diz ele. Além disso, a equipe buscou especificamente relatórios de segurança do paciente que nomeassem explicitamente um dos cinco principais fornecedores de registros eletrônicos de saúde ou um de seus produtos. “Mas não é natural que as pessoas relatem dessa maneira”, diz Ratwani. “Eles estão focados no que aconteceu com o paciente e nos detalhes sobre o paciente. Eles não estão focados em nomear o produto.”

Então, qual é a solução? Um que já está em vigor é ter profissionais treinados para detectarem erros nos RESs, diz Ratwani. Mas ainda há erros que podem passar despercebidos, que os pacientes pudessem ter fácil acesso às suas informações de saúde. Isso é algo que a Apple está trabalhando para melhorar. Em janeiro de 2018, a empresa de tecnologia anunciou uma atualização com o iOS 11.3 beta, que faz registros eletrônicos de saúde para mais de uma dúzia de instituições médicas disponíveis no aplicativo iPhone Health. “Um paciente envolvido é um paciente seguro”, diz Ratwani. E em junho de 2018, a empresa abriu a API para desenvolvedores.

“MELHORIA É SEMPRE NECESSÁRIA.”

Mas isso também não é uma solução completa ou de longo prazo. Fazer com que os pacientes tenham seus próprios registros médicos em seu dispositivo realmente não altera a maneira como os médicos interagem com os RESs no hospital, por exemplo, onde você pode não conseguir fisicamente retirar seu telefone e verificar o trabalho deles. “A solução a longo prazo é realmente que temos que nos concentrar na usabilidade e segurança do RES em si, e não confiar aos pacientes que detectem esses problemas”, diz Ratwani.

Fonte: https://www.theverge.com/2018/3/28/17170830/electronic-health-records-ehr-software-design-medical-errors-patient-risk

Sobre o Autor:

Por conta do vício em tecnologia, sou chamado de usuário.... mas quem não é? Mas sóbrio o suficiente para saber que é apenas um meio. O que realmente importa é são resultados produzidos!